quarta-feira, 22 de abril de 2009

Ministros do STF discutem durante sessão do tribunal

Pessoal!!!

Treta de gente grande!!!!!!!

Eu sou fã declarado do ministro Joaquim Barbosa, primeiro por ser negro e calar a boca de um monte de outros negros que se julgam menos favorecidos e assim mostra que todos, independentemente de cor, raça ou religião tem seu espaço. Não é uma cota para negros ou índios que vai definir se o cara terá sucesso na vida ou não.

Nessa semana o tal de Gilmar Mendes tentou pisar no calo do Ministro Joaquim Barbosa que responde ao pé da letra "Vá à RUA ministro Gilmar Mendes", "O Senhor não está falando com seus CAPANGAS do MT" hehehehe gente, LINDOOOOOOOOOOOOOOOOO, PERFEITOOOOOOOO, que o Brasil tenha mais homens como o Ministro Barbosa.

Pra terminar ele diz: "O Senhor está DESTRUINDO a justiça deste país"...

Não sei quantos de vocês sabem mas a maioria dos "habeas corpus" concedidos aos grandes bandidos como Marcos Valério, Daniel Dantas entre outros tem o dedinho do tal Gilmar Mendes.

Segue na íntegra a Treta deles....
Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Politica/0,,MUL1094745-5601,00-MINISTROS+DO+STF+DISCUTEM+DURANTE+SESSAO+DO+TRIBUNAL.html

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Medes, presidente da corte, e Joaquim Barbosa tiveram uma discussão durante a sessão plenária desta quarta-feira (22), já no final da tarde.

O tribunal julgava um recurso do governo do Paraná sobre a constitucionalidade de uma lei que incluía os funcionários privados dos cartórios do Paraná no sistema de previdência estadual. Barbosa pediu detalhes sobre o processo, mas Gilmar Mendes retrucou dizendo que o ministro havia faltado à sessão que deliberou sobre o assunto. A discussão começou quando o presidente do STF disse que Joaquim Barbosa não tinha condições de dar lição de moral a ninguém e que “julga por classe”.

Barbosa respondeu: “Vossa excelência está destruindo a Justiça deste país e vem agora dar lição de moral em mim. Saia à rua ministro Gilmar”.

"Eu estou na rua", disse Mendes.

saiba mais
Ministros do STF batem boca em plenário
“Vossa excelência não está na rua não. Vossa excelência está na mídia, destruindo a credibilidade do Judiciário brasileiro. É isso”, disse Barbosa. “Vossa excelência quando se dirige a mim não está falando com os seus capangas do Mato Grosso, ministro Gilmar. O senhor respeite”, acrescentou.

Mendes respondeu: "Vossa excelência me respeite. Eu te respeito".

Logo depois da áspera discussão, a sessão desta quarta foi encerrada.

O bate-boca começou durante a análise de embargos (recursos) protocolados contra duas leis julgadas inconstitucionais pelo Supremo. Uma das ações, a que gerou a discussão, se referia a uma lei estadual de 1999 que criou o Sistema de Seguridade Funcional do Estado do Paraná.

A legislação foi considerada inconstitucional pelo STF em agosto de 2006, mas o recurso questionava se a mesma seria invalida desde sua criação ou somente a partir da decisão.

Outro embargo tratava do foro privilegiado. Em 2005, o Supremo considerou inconstitucional uma lei de 2002 que definia que processos contra autoridades com foro permaneceriam na Corte mesmo se o réu deixasse de ter cargo político.

Desde o final da sessão plenária, os ministros estão reunidos para tratarem do episódio desta tarde. Joaquim Barbosa foi embora do STF após a confusão e a assessoria de Mendes ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Precedentes

Esta não foi a primeira vez que os ministros discutiram em plenário.
Em setembro de 2007, os dois já haviam se desentendido. O bate-boca começou quando Mendes propôs votar novamente, com a presença de todos os 11 ministros que integram o STF, uma questão decidida em uma ocasião anterior, quando um dos ministros não estava. "Ministro Gilmar, me perdoe a palavra, mas isso é 'jeitinho'. Nós temos que acabar com isso”, disse Barbosa na ocasião. Em resposta, Mendes disse que não iria responder à provocação. "Vossa Excelência não pode pensar que pode dar lição de moral aqui”, retrucou Mendes, em 2007.

A discussão desta quarta ocorreu apenas um dia antes de Gilmar Mendes completar um ano à frente da presidência do Supremo. Nesse período, o presidente do STF se envolveu em polêmicas com o Congresso Nacional, acusado por parlamentares de usar o STF para tomar decisões de competência do Poder Legislativo. Mendes também enfrentou embates com a Polícia Federal, após acusar a corporação de "
espetacularizar" suas operações, e com o Ministério Público, ao dizer que o controle externo do órgão sobre a PF é algo "litero-poético-recreativo".

Um comentário:

Carolina disse...

Pois é...se nem os ministros estão se entendendo, imagine o resto!

Fuuuuui :)